Ajudem a Rita na luta contra o cancro

Um diagnóstico precoce de cancro da mama, aos 25 anos, lançou-me nesta longa luta que travo há 6 anos. 

O cancro da mama triplo negativo que me foi diagnosticado é o mais raro e agressivo dos cancros de mama. É responsável por 10-15% dos cancros de mama e não tem recetores para a progesterona e estrogénio, nem produz a proteína HER2 (daí responder negativamente 3x). Difere dos outros tipos de cancro de mama pela sua rápida disseminação, opções limitadas de tratamento e pior diagnóstico. Ainda assim, aceitei a luta com garra, fiz vários ciclos de quimioterapia e radioterapia, mastectomia radical da mama esquerda e todos os processos envolventes, mantendo sempre o espírito positivo, a resiliência e a esperança.

Ao longo de cerca de 2 anos, com o acompanhamento de várias equipas médicas, fomos mantendo a doença sob vigilância. Concluí a reconstrução mamária aos 27 anos, altura em que voltam os sinais de alerta: o corpo não responde às mensagens que o cérebro envia. O tropeçar na perna esquerda torna-se constante e a falta de força do braço esquerdo é também evidente. Apesar da epilepsia anteriormente diagnosticada e controlada, as crises convulsivas tornam-se frequentes. Esses acontecimentos levam a exames, que trazem resultados menos favoráveis: metastizacão cerebral, hepática e pulmonar. Seguem-se mais tratamentos de radiocirurgia e quimioterapia por mais de um ano. É então que se decide pela interrupção da quimioterapia, uma vez que a doença se encontrava estável e por o corpo revelar alguns sinais de toxicidade e cansaço.

Parecia estar tudo mais calmo, mas em menos de um ano, as ressonâncias magnéticas voltam a revelar a progressão das metástases cerebrais. Opta-se por novas sessões de radiocirurgia, desta vez repartida em 3 ciclos, de forma a serem menos agressiva para o cérebro. Na altura ajudaram na redução dos sintomas, mas 5 meses depois, em Julho de 2020, voltaram as crises convulsivas, desta vez mensais.  As ressonâncias mostram mais inflamação e progressão nessa mesma zona cerebral, a área responsável pela coordenação motora. Tratamentos de radioterapia ou até mesmo cirurgia são desta vez postos de parte pelo serviço nacional de saúde, dada a grande possibilidade de paralisação. Fico sem alternativas no Hospital de Braga...

É aí que surge a possibilidade de um tratamento chamado Hipertermia, na CUF do Porto. Após várias notícias desencorajadoras, essa possibilidade é aceite e aberta pelos médicos da CUF.

Numa fase inicial, para testar a reação aos tratamentos, farei 10 ciclos de hipertermia local. Estes tratamentos não são comparticipados e cada um custa 175€. Por serem tratamentos num hospital privado, não conto com qualquer tipo de ajuda por parte do estado, daí ter optado por esta via.

Da minha parte, invisto 100% da minha força, confiança e convicção, abraçando a vida e mais uma luta. 

Conto com a vossa contribuição, que será muito bem-vinda, por mais pequena que seja. Acredito que juntos, somos mais fortes e eu vencerei.

  • Pedro Leite 
    • €50 
    • há 8 dias
  • Christine Olory 
    • €20 
    • há 2 meses
  • Filipa Gomes 
    • €25 
    • há 2 meses
  • Anônimo 
    • €50 
    • há 2 meses
  • Anônimo 
    • €50 
    • há 2 meses
Ver todas

Organizadora

Rita Magalhaes 
Organizadora
Braga, São Roque do Pico, Portugal
  • A maior plataforma de arrecadação de fundos do mundo

    Mais pessoas começam campanhas no GoFundMe do que em qualquer outra plataforma. Saiba mais.

  • Garantia GoFundMe

    Nas raras situações em que algo não der certo, trabalharemos com você para determinar se houve mau uso. Saiba mais.

  • Orientação de experts 24/7

    Envie suas perguntas e nós responderemos, dia e noite. Saiba mais.