Help a Transgender - FTM surgeries & survival

//Text in Portuguese below// Texto em português abaixo//

Hello.
I've never pictured myself having to write a message like this,
asking for help from strangers, but here we are.

Since I will be trying to protect my privacy (for obvious reasons)
I will not be sharing my face or my name, even though I know that
will make it harder for me to reach my goal, as there will be
less people to empatize with my story. But I will try anyway
because, by now, I am feeling pretty desperate.

Let me try to tell you my story, as short as I can:
I was born on 1995, in a small town, in Portugal.
Assigned female at birth.
I had a pretty common childhood I supposed. I was a bit of a tomboy
but nothing out of the ordinary, and any signs of disphoria I assumed
were just normal, that everyone felt like that. Nothing serious.
It all got worse with puberty. By the age 14 I hit depression
really hard. By the age 15 I became sexually active and I hated it.
But I still wasn't sure why. I hated how I looked, but not because
I thought I was ugly. I always felt that if the person I saw
in the mirror was someone else I was seeing, that person would be
alright. But just not ME. Obviously I tried changing styles, clothes
and hairstyles (I had been using short hair for a while already
and everytime it got longer it just made things worse).
Until I realized what it was. I had no idea there was a name
for people like me, much less a solution.
Until I saw a cosplayer on youtube talking about the starting of his
transition. I now knew the name: Transgender; and I knew I could
do something about it. But I was still a minor and my parents would
freak out. Living in a small town (where I was already seen as weird
and everyone knew about everyone else's busyness) I didn't tell anyone.
Only when I was 100% sure, 1 year later, I told a group of 3 close
friends in a new school I was going to. I had no money, no allowence
and it was impossible to get a part-time job. All I wanted was
to turn 18 and move out and start a new life. Which was all very naive
of me. I did came out to my parents when I turned 18 and told
a few more friends. That did not go so well. Most people never heard of
anyone like this. Being gay was already freaky enough around here.
But I did start my process (which in this country, at the time,
you needed a psychologist note to send you to a hospital in Lisbon
where they would give you a psychologic evaluation and then assign
you a psychologist specialized in cases like this. It's supposed to take 1 year. Only after 2 years of appointments I would be sent to another hospital just to repeat
all this and start hormones and the legal procedure of name changing and all that.
By this time, I was already cursing not having started this right away when I was 16, but I was not even aware of the nightmare to come. When I was 20 and finally at that hospitalthe doctors were rude, unprofessional and kept delaying everything because I didn't LOOK "trans enough" by their standards... during this time I managed to get a part-time job while in university and move to Lisbon with a friend, without much help for my parents (who were still in denial and against everything). After more than 1 year of the public hospital bullshit I heard of a private clinic, not far, that worked with some of the best doctors in Portugal,
specialized in this. Even with insurance the appointments were pretty costly but I scrapped by...
At the age of 21 I finally changed my name and started hormonal treatment. It felt like a big weight had been lifted off me. But my disphoria kept getting worse and my anxieties too: even while biding, my chest was too noticeable.
On the other hand, by legally changing my card, my parents were forced to deal with the situation and the rest of my family had to be notified too. I was really afraid because of my grandparents (devoted christians) but they actually
were the ones that accepted it better? Because God made me that way and he works in mysterious ways, right? And they had to love me
just the same, even if it took some getting used to. But that at least made me less afraid of family gathering and keeping in touch. I didn't need to just disappear now.

Since I had finished my university major I had lost my insurance. Appointments now costed double and I couldn't get a decent job.
And I couldn't save anywhere near enough for chest surgery. I barely could pay rent and food. 1 more year goes by and my situation didn't
change. My doctor told me "you know, maybe you should do a master's? You have to pay for the course, but you will get your insurance again,
which will save you a lot more for the surgeries". Because I hadn't been able to get any job in more than a year I realized that might actually
be the only plan. But to be able to do that I had to move back to my hometown and endure the 3h commute everyday. So I did. Living with my mother
again was stressing but a lesser evil. At the age of 23 I got my top surgery, with a 6 months hard recovery. Everything seemed perfect and on the right track
for a while. I had a shitty part-time job that allowed me enough to pay tuition, but the commute/classes/work only left me around 3h of sleep a night.
A year later my health took a turn for the worse and I kept getting sicker and sicker. I quit that part-time and foccused on my health and classes.
The savings lasted me for a bit to cover tuition. But even when I got better, I couldn't get any part-time job again. Living with my mom kept getting worse
and worse too and she is not exactly a good mother role model. I am now 25, and during the pandemic, the task of getting a part-time job went from "it's difficult"
to "impossible" and everytime things seem to get better they get worse again and they close things down and fire any temps. I have only one year left on my insurance too.
I still have all the other surgeries left, and with that insurance I only pay 20% of the total price - which is still way too much for me - and after that I would have to pay the total price...which as this story might have shown you: I would never be able to afford it in my life. And since I was a teenager, I feel like I keep putitng
my life on hold. I can't exactly move on. I don't even date. I can't move to another country. I can't invest on my future. I just need to be able to be me first.
Because I have no job - the bank told me they would't be able to help me in any way. Not even if someone vouched for me. Just no.
And to make things worse, this past week my mom - which was always a bit mental, but got INSANELY mental during the last few months of the pandemic - kicked me out from home.
I am not out in the street yet, because she can't physically put me out and she still hasn't changed the locks, but I will be soon. Not even sure when.
I've been living everyday in a total anxiety. I don't have money to go somewhere either (if you didn't know, since the last couple of years, because of tourism, the renting situation in Portugal
is completely messed up. Our minimum wage is 600€....most rooms cost almost that or more. Plus bills, food, medical expenses, transportation, etc. it's basically telling you that if you are not
living on foreign money or you are rich or have rich parents, you have no right to live).

So here I, now, writing this. Unemployed. Almost homeless. And desperate.

Even if you can't give much, anything helps. Passing it around to people that might be able to give a hand, helps.
If you know me, please keep it anonymous. I want to remain safe and try and live my life unoticed. I just want to be able to live.

So to state the procedures I still need to this still this year (asap):

- Nipple resizing (1 of them needs to be fixed - which can be done during one of the other ops)
- Histerectomy
- Metoidioplasty
- Testicular prosthetics
- Phaloplasty (which includes 9 different steps: uretheral formation, surgical flap formation, surgical flap transfer,
and 2 more on the surgical flap blood suply and transfer, surgical flap release (?), 2 for penile glans formation,
costal cartilage or penile prosthetic placement).

I'm guessing the costs of this to be around 10,000€ but it could be more (the hospital has not given me a price table because "it depends"
and refused to give me an estimate before talking to the surgeon. I'm still waiting to hear back from them.

All the steps with approximately a month apart.
Some of them require 2 to 3 nights at the hospital (or more if something goes wrong). Others just one night. - Room 60€/ night (+/- 1,000€)

During this time it will also be impossible for me to work. - 7,200€ would be 1 year on minimum wage
I need to be sure I can pay rent and eat once I'm kicked out, even if I'm jobless.

+1,200€ to finish paying tuition (it's my last year and I am in an unpaid internship).
420€ for appointments to cover 1 year (mandatory psychology appointments + Sexology appointments).
60€ for my hormonal treatment to cover 1 year.

GoFundMe will charge 7,55% + 0,25cents for each donation total (if I understood it correctly).

I will updating the pricing as I know more. But I figured it was better to stop waiting around as I am running out of time and my situation just keeps getting worse.

I will be forever thankful to anyone who is able to donate or just pass the message.




-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

[Português]

Olá.
Nunca me imaginei a escrever uma mensagem como esta,
a pedir ajuda a estranhos, mas aqui estamos.

Vou tentar proteger minha privacidade (por razões óbvias)
então não irei partilhar a minha cara ou o meu nome, mesmo sabendo que isso
tornaria mais fácil alcançar meu objetivo, pois haverá
menos pessoas a empatizar com a minha história. Mas vou tentar de qualquer maneira
porque, agora, estou um bocado desesperado.

Vou tentar contar minha história, o mais breve possível:
Nasci em 1995, numa pequena cidade, em Portugal.
Designado de sexo feminino à nascença.
Tive uma infância bastante comum. Eu era meio maria-rapaz
mas nada fora do normal, e quaisquer sinais de disforia assumi
como normais também, que todos se sentiam assim. Nada sério.
Tudo piorou com a puberdade. Aos 14 anos, comecei a sofrer de depressão
grave. Aos 15 anos, tornei-me sexualmente ativo e odiava tudo.
Mas eu ainda não tinha certeza do porquê. Eu odiava a minha aparência, mas não porque
me achava feio. Sempre senti que se a pessoa que eu via
no espelho fosse outra pessoa para a qual eu olhasse, essa pessoa seria
atrativa. Mas apenas não era eu. Obviamente tentei mudar estilos, roupas
e penteados (eu já estava usava cabelo curto há algum tempo
e cada vez que ficava mais longo, só piorava as coisas).
Até eu perceber o que era. Eu não tinha ideia que havia um nome
para pessoas como eu, muito menos uma solução.
Até que vi um cosplayer no youtube, a falar sobre o início da sua
transição. Agora eu sabia o nome: Transgénero (ou transexual); e eu sabia que poderia
fazer alguma quanto a isso. Mas eu ainda era menor e meus pais iam passar-se. Morando numa cidade pequena (onde já era visto como esquisito
e todos sabiam da vida uns dos outros) não contei a ninguém.
Só quando tive 100% de certeza, 1 ano depois, contei a um grupo de 3 pessoas próximas,
amigos numa escola nova para a qual eu me tinha mudado. Eu não tinha dinheiro, não tinha mesada
e era impossível conseguir um trabalho part-time. Tudo que eu queria era
fazer 18 anos, mudar-me e começar uma nova vida. O que foi tudo muito ingénuo
da minha parte. Eu contei aos meus pais quando fiz 18 anos e disse a
mais alguns amigos. Não correu muito bem. A maioria das pessoas nunca tinha ouvido falar
de tal coisa. Ser gay já seria estranho o suficiente por estas bandas.
Mas comecei o processo (que neste país, na época,
precisava de um atestado de psicólogo para me encaminhar para um hospital em Lisboa
onde eles me fariam uma avaliação psicológica e então me atribuíam
um psicólogo especializado em casos como esse. Deveria demorar 1 ano. Só depois de 2 anos de consultas eu fui reencaminhado para outro hospital
apenas para repetir isso tudo e iniciar as hormonas e o mudança legal do nome e género nos documentos, e tudo mais.
Por essa altura, eu já estava arrependido de não ter começado logo o processo aos 16 anos, mas nem sabia do pesadelo que estava ainda por vir.
Aos 20 anos, e finalmente estava naquele hospital, os médicos eram rudes, não profissionais e atrasavam o processo porque eu NÃO PARECIA "trans o suficiente"
pelos padrões deles ... durante esse tempo, consegui um part-time enquanto estava na universidade e mudei-me para Lisboa com um amigo, sem muita ajuda
dos meus pais (que continuavam em negação e contra tudo). Depois de mais de 1 ano de complicações de hospital público, ouvi falar de uma clínica privada,
não muito longe, que trabalhava com alguns dos melhores médicos de Portugal,
especializados em situações destas. Mesmo com seguro, as consultas eram caras, mas fui-me desenrascando...
Aos 21 anos mudei finalmente de nome e comecei o tratamento hormonal. Parecia que um grande peso havia sido tirado de cima de mim. Mas minha disforia
não parava de piorar e minhas ansiedades também: mesmo usando binder (algo para prender e disfarçar o peito), meu peito continuava muito perceptível.
Por outro lado, ao alterar legalmente meu cartão, meus pais foram forçados a lidar com a situação e o resto da minha família também teve que ficar a saber.
Eu estava com muito medo por causa dos meus avós (cristãos devotos), mas eles realmente
foram os que aceitaram melhor? Porque Deus fez-me assim e ele trabalha de maneiras misteriosas, certo? E eles tinham de me amar
na mesma, mesmo que demorasse um pouco para se habituarem à ideia. Mas isso, pelo menos, deixou-me com menos medo de reuniões familiares e manter contacto
com a minha família. Eu já não precisava simplesmente de desaparecer.

Ao concluir o curso universitário, perdi o seguro (Adse). As consultas agora custavam o dobro e eu não conseguia um emprego decente.
E não conseguia poupar nem perto do necessário para uma masectomia (cirurgia ao peito). Eu mal conseguia pagar a renda, contas e alimentação.
Mais 1 ano se passou e minha situação não mudou. Até que o meu médico me disse "sabes, talvez possas fazer um mestrado? Tens de pagar pelo curso,
mas ficas com o seguro novamente, pelo menos até aos 26, o que continua a sair muito mais barato, em vez de pagares o preço inteiro das cirurgias.
Isso ou juntas-te ao exército ou a trabalhar para o estado, nem que seja a apanhar lixo.
Eles falaram em estender a Adse até aos 30, mas acho que não foi para a frente."
Como eu não conseguia nenhum trabalho há mais de um ano, percebi que voltar a estudar poderia ser, na verdade,
o único plano. Mas para fazer isso eu tive que voltar para minha cidade natal e aguentar o trajeto de 3h todos os dias para a faculdade e um part-time. Então assim fiz.
Morar com minha mãe novamente foi stressante, mas um mal menor. Aos 23 anos fiz minha cirurgia ao peito, com uma recuperação difícil de 6 meses.
Tudo parecia perfeito e no caminho certo durante um tempo. Eu tinha um trabalho part-time que me permitia pagar as propinas, mas o deslocamento /
aulas / trabalho só me deixava cerca de 3h de sono por noite.
Um ano depois, a minha saúde piorou e eu fui ficando cada vez mais doente. Tive que me despedir e foquei-me na minha saúde e nas aulas.
O dinehiro que poupei deu para cobrir as propinas durante algum tempo. Mas mesmo quando melhorei, não consegui arranjar mais nenhum part-time.
Viver com minha mãe tambén foi ficando pior e e pior e ela não era exatamente boa a desempenhar o papel de mãe. Estou agora com 25 anos e,
durante a pandemia, a tarefa de conseguir um part-time passou de ser "difícil" para "impossível" e sempre que as coisas parecem melhorar, voltam a ficar
piores e fecham as coisas e mandam aqueles com contratos temporários ou em formação para a rua. Também tenho apenas mais um ano para usufruir do seguro.
Ainda me faltam todas as outras cirurgias, e com o seguro eu só pagaria 20% do preço total - o que ainda é muito para mim - e depois de o perder eu teria de
pagar o preço total ... que como essa história pode ter conseguido mostrar: eu nunca seria capaz de juntar essa quantia em toda a minha vida.
Desde que eu era um adolescente, eu sinto que continuo a meter a minha vida em lista de espera. Eu não posso exatamente seguir em frente. Eu nem namoro.
Não me posso mudar para outro país. Não posso investir no meu futuro. Eu só preciso ser capaz de ser eu próprio primeiro.
Como eu não tenho emprego - o banco disse-me que eles não me poderiam ajudar de forma alguma. Nem mesmo com um fiador. Apenas não.
E para piorar as coisas, na semana passada minha mãe - que sempre foi meio maluca, mas ficou MUITO pior durante os últimos meses da pandemia - me expulsou
de casa. Ainda não estou na rua, porque ela não pode, fisicamente, meter fora, e ainda não trocou as fechaduras, mas assim que o fizer, vou estar.
Nem tenho a certeza de quando isso será. Pode ser daqui uma semana ou um mês. Tenho vivido todos os dias em uma ansiedade total.
Também não tenho dinheiro para ir a lado nenhum (uma vez que nos últimos anos, por causa do turismo, a situação do arrendamento em Portugal
está completamente lixada. O nosso salário mínimo é de 600 € ... a maioria dos quartos custa quase isso ou mais. Além de contas, alimentação, despesas médicas,
transporte, etc. basicamente quer dizer que, se não viver de dinheiro estrangeiro ou for rico ou tiver pais ricos, não tenho direito de viver).

Então aqui estou, agora, a escrever isto. Desempregado. Quase sem tecto. E desesperado.

Mesmo que não possam dar muito, qualquer coisa ajuda. Enviar isto a outras pessoas que possam dar uma mãozinha, ajuda.
Se me conhecer, por favor, mantenha o anonimato. Eu quero permanecer seguro e tentar viver minha vida sem ser notado. Discretamente.
Eu só quero poder viver.

Então, para expor os procedimentos que ainda preciso de fazer ainda este ano (o mais rápido possível):

- redimensionamento do mamilo
(1 deles precisa ser corrigido - o que pode ser feito durante uma das outras operações)
- Histerectomia
- Metoidoplastia
- Prótese testicular
- Faloplastia (que inclui 9 etapas diferentes: formação da uretera, formação do retalho, transferência do retalho,
e mais 2 de espera de retalho ( manobra cirúrgica para aumentar a microcirculação do retalho), transferência do retalho cirúrgico,
liberação do retalho cirúrgico, 2 para a modelação e formação da glande peniana, colocação de prótese peniana ou cartilagem costal).
(poderão ver todos os detalhes das fases, tempos de espera e etc. aqui: http://joaodecioferreira.com/pt/transexualidade/d-g-transexualidade/55-cirurgia-f-m-com-faloplastia-com-retalho-tubular-abdominal.html)

Imagino que os custos sejam em torno de 10.000 €, mas poderia ser mais (o hospital não me deu uma tabela de preços porque "depende"
e se recusou a me dar uma estimativa antes de falarem com o cirurgião. Ainda estou à espera de uma resposta deles, pelo que farei update depois de saber.

Todas as etapas têm aproximadamente um mês de intervalo entre elas.
Algumas delas requerem 2 a 3 noites no hospital (ou mais houverem problemas inesperados). Outros apenas uma noite. - Quarto 60 € / noite (+/- 1.000 €)

Durante esse tempo, também será impossível para mim trabalhar. - 7.200 € seria 1 ano de salário mínimo
Preciso de ter certeza de que posso pagar a renda e comer depois de estar fora de casa, mesmo estando desempregado.

+ 1.200 € para terminar o pagamento das propinas (é o meu último ano e estou a fazer um estágio não remunerado).
420 € para consultas de 1 ano (psicologias de psicologia e sexologia para o processo).
+ 60€ de hormonas para durarem um ano.

O GoFundMe cobrará 7,55% ao total + 0,25 cêntimos por cada doação (se entendi bem).

Vou actualizar os preços à medida que sei mais. Mas achei melhor parar de esperar porque estou a ficar sem tempo e minha situação só piora.

Ficarei eternamente grato a quem puder doar ou apenas passar a mensagem.

Donations

 See top
  • Anonymous 
    • €20 
    • 2 d
  • Anonymous 
    • €20 
    • 4 d
  • Rita Martins 
    • €5 
    • 5 d
  • Rita Ferreira 
    • €50 
    • 6 d
  • Malthe Vagner Pedersen 
    • €5 
    • 8 d
See all

Organizer

D T 
Organizer

  • #1 fundraising platform

    People have raised more money on GoFundMe than anywhere else. Learn more

  • GoFundMe Guarantee

    In the rare case that something isn’t right, we will refund your donation. Learn more

  • Expert advice, 24/7

    Contact us with your questions and we’ll answer, day or night. Learn more